O Líbano está à beira de nova crise

0
49

Há alertas de explosão social no Líbano e consequente surto de insegurança pelo atraso na formação do governo, desde agosto de 2020.

Nenhum dos encarregados de nomear o Executivo, o Primeiro-Ministro designado Saad Hariri e o Presidente Michel Aoun, desiste de suas posições, enquanto a situação nacional entra no caos, escreve Armando Reyes Calderín na Prensa Latina.

O ponto que causou a revolta popular refere-se a uma desvalorização de mais de 90 por cento da libra libanesa em relação ao dólar, o que transformou em pó e cinza os  salários de 90 por cento da população. 

Anteriormente, os libaneses sofreram as consequências da pior crise econômica e financeira do país em décadas, agravada pela pandemia de Covid-19 e uma explosão que destruiu o porto da capital.

No entanto, a liderança dominante vira as costas para esse panorama e continua sem concordar em nomear e instalar um Gabinete que iniciará as reformas para pavimentar a ajuda internacional prometida.

Os manifestantes antigovernamentais advertiram que intensificarão seus protestos se não houver um alinhamento governamental capaz de travar o colapso econômico que resultou na queda da metade dos 6 milhões de libaneses abaixo da linha da pobreza.

Nesta segunda-feira (8), os protestos fecharam as principais estradas e foi impossível entrar ou sair de Beirute devido aos obstáculos colocados nas estradas e avenidas principais.

Esta pressão, no entanto, não tem efeito na reativação do diálogo entre Aoun e Hariri. Este último viajou para os Emirados Árabes Unidos na semana passada em meio aos protestos dos cidadãos.

O primeiro-ministro indicado e o presidente permanecem em desacordo sobre o número, composição e nomeação dos titulares e rejeitam propostas de qualquer um dos partidos.

Hariri insiste em um grupo ministerial de 18 pastas com pessoas de fora dos meios políticos, embora não das confissões religiosas que pela Constituição devem ser divididas igualmente entre islâmicos e cristãos.

Sobre isto, Aoun reivindica seis pastas para os cristãos e mais uma que os ortodoxos gregos obteriam e assim obteriam poder de veto e o primeiro-ministro designado não o aceita.

(Foto: Prensa Latina)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui