Defensoria ouve movimentos sociais sobre proposta para cotas raciais em concursos e seleções públicas da instituição

0
21

FOTOS: Divulgação/DPE-AM
FOTOS: Divulgação/DPE-AM

Iniciativa ocorreu em formato híbrido, com limite de convidados presenciais na sede da instituição, em cumprimento às medidas de prevenção à Covid-19

A Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) realizou audiência pública, na quarta-feira (09/06), para ouvir movimentos sociais sobre a minuta de um Projeto de Lei Ordinária, que será apresentada à Assembleia Legislativa do Estado (Aleam) e que trata da reserva de vagas para minorias sociais em concursos e seleções públicas da própria instituição. O objetivo foi captar sugestões a fim de construir uma legislação alinhada com a população beneficiada, que tenha segurança jurídica e sirva de base para outras instituições que desejem implementar essa política em suas estruturas.

A instituição quer assegurar, por meio de uma norma jurídica, a reserva às pessoas negras, indígenas e quilombolas no percentual de 30% para provimento de cargos efetivos do quadro pessoal de membros e servidores que autodeclarem tal condição no momento da inscrição em certames. A reserva será aplicada sempre que o número de vagas oferecidas em concurso público for igual ou superior a três, em cada especialidade ofertada.

Para isso, a Defensoria considera, entre outros pontos, a ampla defesa dos direitos fundamentais, adequado enfrentamento e superação das desigualdades étnicas decorrentes do preconceito social, da discriminação étnica e do racismo estrutural e institucional, além da relevância de previsão legal, no âmbito estadual, para a reserva de vagas aos negros, indígenas e quilombolas, para viabilizar a efetivação de oportunidades.

De acordo com o defensor público geral do Estado, Ricardo Paiva, embora a DPE-AM tenha avançado com a aprovação da Resolução nº 30/2020, que dispõe sobre a reserva de vagas raciais na instituição, é necessário ampliar o debate e construir uma norma mais ampla e inclusiva que reduza desigualdades sociais. Ele ressalta que a audiência pública é um caminho para isso e que, a partir das contribuições dos participantes, é possível alcançar ações afirmativas.

“A Defensoria é a instituição que constrói diálogos e pontes, que dá voz a todos os movimentos e estamos nessa proposta para ouvir a população, colher sugestões e críticas para que possamos analisar tudo o que foi apresentado e deliberar de que forma podemos aperfeiçoar e incorporar indicações ao projeto de lei que será encaminhado para a Assembleia Legislativa do Amazonas”, disse Ricardo Paiva.

Temas como a composição da comissão de heteroidentificação, inclusão de pardos e percentual de gênero foram alguns dos pontos sugeridos pelos participantes para serem incorporados à proposta. Os representantes também sugeriram a inclusão da temática racial nos cursos de formação de novas defensoras e defensores, bem como estagiárias e estagiários que ingressam na instituição.

“A iniciativa dessa audiência pública é construir um entendimento para as cotas raciais. Esse é o momento de preparação ao projeto que está em construção e não há pessoas com maior embasamento para falar sobre isso que os próprios representantes desses movimentos”, destacou o subdefensor geral do Estado, Thiago Rosas, que coordenou a audiência.

Cada participante teve cinco minutos para fazer considerações sobre a proposta. Após a conclusão das manifestações, foi estabelecido como encaminhamento que análises e sugestões poderão ser enviadas para o endereço eletrônico [email protected], até a segunda-feira (14/06). Todas as indicações serão analisadas pela Diretoria de Apoio Jurídico e Assuntos Institucionais (Dajai) da Defensoria, a fim de adotar as providências necessárias.

Participação – A iniciativa contou com a participação de movimentos e organizações sociais, tais com a Nação Mestiça, Fórum da Capoeira, Comissão Especial de Defesa dos Povos Indígenas, Comissão de Proteção Animal, Assuntos Indígenas e Legislação Participativa (CPAIP), Comissão de Igualdade Racial da OAB/AM, Associação dos Caboclos e Ribeirinhos da Amazônia (ACRA), Instituto Nacional Afro Origem (Inaô-AM), Instituto de Articulação da Juventude da Amazônia (Iaja), Associação dos Defensores Públicos do Estado do Amazonas, entre outros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui